Global Game Jam e Atualizações

Essa semana foi sensacional. Decobri pelo menos 3 bandas que gostei muito e umas 4 músicas que instantaneamente foram parar na minha lista de favoritas, mas como esse blog não é exatamente sobre música, vamos mudar de assunto.

Estou trabalhando em mais um projeto, um Card Game com Deckbuilding. A vontade de fazer um desses veio depois de jogar Eminant Domain, um jogo bem interessante, mesmo tendo achado as interações entre jogadores fraca. Já tenho uma semana de trabalho nesse projeto que chamei de Mind Spies e acredito que precisarei de mais um pedaço dessa para terminar o primeiro protótipo. Feito isso, terei que escravizar alguns conhecidos para que testem o jogo e me deem o feedback necessário para o próximo protótipo. A coisa toda está andando em uma velocidade bem satisfatória, quem sabe até o fim de fevereiro eu não tenha um produto final?

Além do Mind Spies, estou trabalhando no que espero se  tornar um livro algum dia. A muito tempo tenho planos para ele, mas algumas correções violentas foram necessárias então estou refazendo a maior parte da história, um misto de ação, terror e investigação com elementos sobrenaturais. Sem prazo para terminar, mas quero ter algo até o fim desse ano.

Apesar dessas coisas que estão transformando sono em um alegre cansaço, a notícia mais importante é a próxima.

No dia 29 irá acontecer o Global Game Jam, onde um grupo de pessoas se reune em equipes que devem produzir um jogo em 48h. Insanidade? Absoluta. Nunca participei disso e devo dizer que só estou partcipando devido ao encorajamento de uma amiga. Não sei bem o que esperar (é mentira, mas relevem). Foi uma das raras ocasiões em que pude preencher um formulário e dizer que sou Game Designer, pequenas felicidades.

Com a proximidade do evento, me reuni com alguns conhecidos que também irão participar do evento para uma sessão de treinamento simulado. Sorteamos um dos temas dos anos anteriores e produzimos algo. O tema sorteado foi “Extinction”. Na minha mente imediatamente veio o velo apocalipse zumbi e justamente por se tratar de algo muito comum resolvi descartar. Devo ter ficado uns 40 minutos pensando em possibilidades e consegui reunir 6 ideias. Os outros membros do time (um total de 5 pessoas) tiveram mais 6 ideias. Minhas ideias vagaram principalmente entre mecânicas de sobrevivência, limitação de recursos e aumento gradual de dificuldade tudo com temas diversos. Os outros da equipe divertiam-se com ideias de jogos eletrônicos que se auto desinstalam e temas sociais/políticos.

Acontece que um desses foi o mais votado por diferença esmagadora. Foi nesse momento que pensei como estava com problemas. Problemas grandes. Ao final a ideia seria criar um jogo que mostrasse o quanto o capitalismo destrói o ambiente. O objetivo e estilo de jogo mudou umas três vezes o que me deixou bastante confuso. Um dos membros da equipe levantou a ideia de que o tabuleiro fosse descartável, algo impresso em um papel A4 que ao longo do jogo fosse sendo riscado com um marcador permanente (foi bem enfâtico nisso) para que ao fim os jogadores pudessem ver que destruiram algo que não poderia ser recuperado, uma analogia ao planeta terra. Fui bem direto em dizer que detestava a ideia por vários motivos, mas foram protestos em vão.

Terminamos com um jogo de tabuleiro competitivo para 2 a 6 pessoas, no qual os jogadores controlam empresários capitalistas e andam pelos espaços conquistando áreas naturais, porém que se esgotam e impedem a passagem caso sejam muito utilizadas. O trabalho todo levou em torno de 8 horas eu diria, entre brainstorm (e põe “storm” nisso), produção de protótipo, playtest e ajustes de balanceamento. Ao final o jogo ficou bem agradável, principalmente ao eliminarmos estratégias dominantes, a parte estratégica ficou bem trabalhada. Mesmo sendo simpres, jogaria uma ou duas partidas antes de ficar cansado mentalmente, para algo nessa linha ainda prefiro o Indigo produzido por Reiner Knizia. A experiência foi bem interessante e serviu muito bem para testar algumas estratégias de desenvolvimento em equipe.

Me resta agora aguardar o evento principal enquanto trabalho em coisas pessoais.

Até a próxima o/

Caio “Tyghorn” Victor, ao som de Breed – Otep

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s