Review: Filme – Star Wars: Episode VIII – The Last Jedi (2017)

The Last Jedi Poster

“Luz. Trevas. Um equilíbrio”

Fiquei um pouco surpreso durante as primeiras discussões, mas no fim tudo correu exatamente como esperado: Alguns odiaram, alguns amaram, uma boa parte procurava justificativas racionais e caminhos alternativos, mas todos falavam sobre o último episódio da saga.

Star Wars: Episode VIII – The Last Jedi (2017), traz a continuação da enorme e adorada (?) saga espacial iniciada por George Lucas e que agora se encontra nas mãos da Disney e seu asqueroso rato. Seguindo a estrutura em trilogias, The Last Jedi ocupa o lugar de segundo filme da mais nova trilogia, que ocorre cronologicamente após os eventos da primeira. Em meio aos icônicos duelos de sabres de luz, confrontos políticos, batalhas de espaçonaves e o misticismo da Força, The Last Jedi é tão recheado de plot twists e situações contraditórias que os fãs terão material o suficiente para se digladiar com palavras e fatos pseudocientíficos durante meses. Ou seja, um tremendo sucesso!

Alerta!

Aos mais sensíveis, existem Spoilers abaixo!

Resumo

The Last Jedi começa com as forças da Primeira Ordem assaltando o esconderijo das forças rebeldes da República. Após as cenas repletas de ação, os rebeldes conseguem fugir, mas são perseguidos mesmo em velocidade de warp pelos inimigos e se veem em uma grande encurralada. Conseguem manter uma distância das letais armas das grandes naves da Primeira Ordem, porém têm pouco tempo para pensar em uma saída até que seus recursos terminem. Diante disso, o excepcional piloto Poe Dameron (Oscar Isaac), Finn (John Boyega), a General Leia Organa (Carrie Fisher) e Rose Tico (Kelly Marie Tran) começam a bolar um plano para escapar.

Enquanto isso, a ex-catadora Rey (Daisy Ridley), que despertou seus poderes de manipulação da Força, encontra-se com o lendário Jedi Luke Skywalker (Mark Hamill) e pede sua intervenção no conflito, porém ele nega. Após a insistência de Rey, Luke instrui a protagonista em algumas lições e em meio a isso diversos eventos envolvendo as motivações do vilão Kylo Ren (Adam Driver) são reveladas. Desacreditada das ações dúbias tomadas por Luke, Rey parte para encontrar seus aliados.

TheLastJedi5991ec2d0c72f.jpg

Rey chega em um momento de terror para os rebeldes, após praticamente todos os planos arquitetados por Poe, Finn, Rose e Leia falharem. Após uma série de manobras extremamente audaciosas e pontos de clímax na trama, Kylo Ren torna-se o Líder Supremo da Primeira Ordem e Rey, que acreditava na possibilidade de traze-lo para o lado Luminoso da Força, precisa recuar.

Uma última resistência rebelde é feita em um planeta desértico próximo. A batalha final culmina com mais uma série de manobras exóticas e uma milagrosa intervenção de Luke Skywalker. Ao final, os rebeldes conseguem fugir da quase aniquilação e das garras do novo e instável Líder Supremo Kylo Ren.

Comentários

Como seria de se esperar, Star Wars: Episode VIII – The Last Jedi (2017) não deixa nada a desejar na qualidade audiovisual. Ótimos efeitos especiais, músicas maravilhosas e uma vista sem precedentes da mais adorada a distante galáxia dos cinemas. O filme oferece tudo que seria esperado em um Star Wars, desde as discussões políticas até as batalhas. Essas últimas foram bem respeitáveis, sem muitos malabarismos desnecessários e também em um ritmo bom, ou seja, são boas lutas para um filme de ficção. Aos meus olhos de amador, a questão dos ângulos de câmera e estilos de filmagem foram também ótimos, de modo que dava para ver claramente os pontos de ação e expressões dos personagens. Fechando o pacote, os atores e atrizes interpretaram muito bem seus papéis.

Quanto a história, essa vai ser uma maravilha de se acompanhar com uma pipoca pelos próximos dias. Está recheada de reviravoltas, sinceramente em quantidade exagerada. Algumas serviram muito bem aos eventos, como as dúvidas na mente de Luke Skywalker e a instabilidade de Kylo Ren, porém em outras só serviram para emaranhar uma situação que seria muito mais facilmente resolvida de outro modo, como no caso dos planos da Vice Almirante rebelde Holdo (Laura Dern). Já outras situações pareceram tão ridiculamente óbvias ou fáceis que pareceram claramente uma torcida na história para que os eventos caminhassem. Nesse ponto temos a morte absolutamente sem graça de Snoke (Andy Serkis) e o encontro com o Mestre Decodificador (Justin Theroux).

Em especial, The Last Jedi apresenta alguns momentos que sem dúvida permanecerão na mente dos espectadores durante um bom tempo. O primeiro é a perturbadora e  inexplicável ressurreição de Leia, que sobrevive ao vácuo do espaço e retorna a sua nave utilizando a Força. O segundo é a manobra da Vice Almirante Holdo que utiliza o warp da sua nave para chocar-se contra a grande nave de batalha do Líder Supremo da Primeira Ordem, causando um grande estrago. O terceiro é a maestria no uso da Força por Luke Skywalker, que cria uma projeção ilusória sua para auxiliar os rebeldes na batalha final. São três eventos que garantidamente causarão terror, admiração, preocupações e discussões acaloradas.

O filme também apresenta alguns momentos de comédia bem pontuais, mas não chegam ao exageros dos filmes da Marvel e nem interrompem a história de modo significativo. Arriscaria dizer até que foram muito bem posicionados, pois divertem bastante. O conhecido Chewbacca (Joonas Suotamo) acaba sendo um dos pontos principais de comédia, ao ser acompanhado de pequenas criaturas pássaro, mas o personagem também participa ativamente da ação, tornando-se aparentemente o piloto oficial da Millenium Falcon.

The Last Jedi terminou sua história em um ponto um tanto delicado. O vilão está bem aparente, porém podem haver conflitos internos, principalmente com o General Hux (Domhnall Gleeson). Os rebeldes conseguiram fugir, porém tem números massivamente reduzidos. Espera-se que num futuro episódio IX a conhecida introdução em texto narre os fatos que virão a concluir mais uma trilogia espacial. Star Wars: Episode VIII – The Last Jedi (2017) recebeu nota 7.8 no IMDB e 93% no Rotten Tomatoes, no momento desta publicação. Os amigos com o qual jogo RPG periodicamente recusam-se a me entregar uma nave com capacidade de warp. Sério que eu fui um dos únicos que pensou nisso? Pobres fãs que se agarram demais a suas leis…

Caio “Tyghorn” Victor

In Memoriam: General and Princess Carrie Fisher

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s