[MTG] Projeto – Rules of Nature

571767

Pois é, montei outro em menos de 72 horas. Meu problema com MTG é que fico um bom tempo sem sequer olhar as cartas, se alguém comenta sobre o assunto comigo passo os próximos dias jogando apenas isso. Dessa vez já tinha a música título em mente, só precisava da lista certa para ela.

1 – O Conceito

Com o título “Rules of Nature” na mente, só pensei em fazer algo monogreen e deveria ser de porrada. Verde é um prato cheio para decks de porrada, mas fazer mais um como qualquer outro desses não teria graça. Pesquisando possibilidades na internet, me deparei com algumas coisas interessantes, mas de todas Primal Surge (Spoiler abaixo) me chamou muito a atenção. Em teoria, com um pouco de sorte, é possível trazer várias permanentes para o jogo, mas o que aconteceria se eu tivesse apenas permanentes? Nesse ponto eu já tinha decidido no que Rules of Nature seria baseado: Uma súbita explosão de ignorância, dano e atropelamentos.

Continuar lendo

[MTG] Projeto – From Chaos to Eternity

571767

Iniciei na semana passada um novo projeto de deck para o Magic The Gathering. Para quem me conhece sabe que não gosto de construir coisas simples para ganhar partidas. Eu gosto de criar monstros. Monstros do tipo que não fazem o menor sentido, que tem falhas grotescas e nem sequer usam cartas efetivas, mas que são no mínimo espetaculares de se admirar. O meu último projeto foi o River of Time, um deck com temática de Tempo que ganhou a mesma quantidade de admiração e ódio dos amigos e amigas que o enfrentaram em uma mesa. Prometi que não o usaria durante este ano de 2016, para quem estiver curioso(a), eis a lista:

River of Time

Montar um deck de MTG para mim é muito mais do que amontoar umas cartinhas que funcionem bem e ganhem o jogo. É quase um ritual, que infelizmente não irei explicar agora como funciona, vou apenas me concentrar em mostrar os passos que foram dados na última semana.

1 – O Conceito

Em algum momento da terça-feira, havia visto duas cartas e fiquei imaginando que bagunça seria se ambas estivessem em jogo. Foi dai que surgiu a fagulha que transformou-se no conceito desse projeto: Caos absoluto. O que aconteceria se os jogadores simplesmente não tivessem mais controle das suas ações? Se a mais simples mágica que tentassem executar simplesmente fosse aleatória? E talvez a pergunta mais importante: É possível fazer isso no MTG? Para minha felicidade, sim é possível. Com esse conceito em mente, direcionei as cartas e o tipo de jogo para o bom e velho mesão e aos poucos fui buscando cartas que sustentassem essa insanidade.

Continuar lendo